.

.
.
.
.
.

FAZ LÁ ESSE JEITO, PÁ

"O PCP entende que o acto eleitoral de domingo, onde participaram “41% dos eleitores”, foi uma “mensagem colectiva de defesa da paz, da democracia” e pede “respeito” pela soberania da Venezuela"
Não comento, obrigar-me-ia ao uso de um tipo de linguagem que não tem cabimento neste blog.

O ministro do Negócios Estrangeiros português diz que Portugal, à semelhança dos seus parceiros europeus, não reconhece a eleição da Assembleia Constituinte mas não se pronuncia sobre a aplicação de sanções ao governo venezuelano. Em comunicado do MNE afirma que "essa questão não foi ainda discutida entre os Estados-membros da UE".

Porém...

Federica Mogherini, chefe da diplomacia europeia, afirmou, no final do encontro mensal dos ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia em que Portugal foi representado pelo embaixador Nuno Brito, que o assunto (sanções à Venezuela) foi “abordado no início do encontro” dos vários governantes europeus.

No jornal espanhol "El País" pode ler-se:
 "La Unión como tal no se había pronunciado debido a la resistencia de países como Grecia e inicialmente Portugal, que ha moderado su postura. "Portugal prefere la vía diplomática pero no se opondrá a la decision de la UE", aseguran fuentes diplomáticas lusas entre el temor por la situación del alrededor de medio millón de ciudadanos de origen portugués que residen en el país según Lisboa."
NOTE-SE:  A notícia acima refere-se tão só ao não reconhecimento da legitimidade das eleições na Venezuela e não, ainda, à aplicação de sanções.

Via diplomática? Com aquele ditadorzeco que vê o seu povo sucumbir à fome e à falta de assistência médica para se agarrar a um poder que não lhe é conferido?
Pero no se opondrá... O que é que isto quer dizer? Que faz o jeito à U.E.?
(Claro que faz, olha quem... Entretanto vão marcando uma posição lamentável)

A mim faz-me um jeito considerável ou teria de me pintar de preto, vestir uma burka, coberta de vergonha.

Sem comentários: